SOCIEDADE

Imprensa. Novo diretor do Tribuna das Ilhas será conhecido em breve

O semanário faialense está em tempo de remodelações na sequência da saída do diretor editorial, que também deixou a administração da cooperativa proprietária do jornal

Tribuna das Ilhas, fundado em 2002 pela cooperativa Informação, Animação e Intercâmbio Cultural (IAIC)

O meio jornalístico local foi surpreendido pelo editorial do Tribuna das Ilhas, publicado duas semanas antes do último Natal, no qual o respetivo diretor se despediu do cargo.

João Paulo Pereira [na fotografia, com direitos reservados] era também presidente do conselho de administração da cooperativa Informação, Animação e Intercâmbio Cultural (IAIC), proprietária do título.

Na edição seguinte à do anúncio da saída de João Paulo Pereira da direção do jornal a cooperativa IAIC publicitou a convocatória de uma assembleia geral.

No espaço de cerca de um mês, completado a meio da passada semana, a IAIC tratou de eleger novos titulares dos seus órgãos sociais e revelar, através de uma notícia do próprio “Tribuna”, que o nome do novo diretor editorial será conhecido “muito brevemente”.

CRISTIANO BEM DE REGRESSO ÀS FUNÇÕES EXECUTIVAS

Já foi presidente do conselho de administração e diretor interino do Tribuna das Ilhas. Até ao dia 13 de janeiro, data da assembleia geral mais recente, era o respetivo presidente. Agora, toma de novo as rédeas administrativas da cooperativa.

Cristiano Bem [na fotografia, com direitos reservados] escolheu Paulo Salvador para seu vice-presidente. André Goulart, Filipe Porteiro e Helena Reis são os restantes membros do conselho de administração.

A presidência da mesa da assembleia geral foi entregue ao anterior presidente do conselho de administração, que se faz acompanhar por Carlos Vilela e Nuno Avelar, provenientes igualmente do órgão executivo da cooperativa. O conselho fiscal foi entregue a Carlos Morais, que preside, Carlos Faria e Ruben Simas.

Com a entrada em funções do novo diretor, que já deverá ter o respetivo nome no cabeçalho do jornal na próxima edição, na sexta-feira, o Tribuna das Ilhas conhecerá o seu sexto responsável editorial, depois de Mário Frayão (fundador), Cristiano Bem (interino), Marco Santos, Maria José Silva e João Paulo Pereira.

EFERVESCÊNCIA EDITORIAL

No dia 10 de janeiro (faz hoje uma semana) completaram-se 164 anos sobre a introdução da imprensa no Faial, através da publicação do primeiro número do jornal Incentivo, por João José da Graça. De lá até hoje esta ilha assistiu a uma efervescência editorial digna de nota, com o nascimento e morte de quase 170 jornais.

A longevidade dos títulos publicados não é a principal característica destes periódicos, com periodicidades diversas, que sofreram múltiplas vicissitudes, pois entre eles há números únicos, outros que viram a luz do dia em séries diferentes e ainda outros que tiveram vida efémera. Feita a devida operação matemática, o resultado produzido equivale ao aparecimento de mais do que um jornal por ano desde que João José da Graça resolveu dar o primeiro incentivo à veia jornalística faialense.

Nestas contas não entram boletins paroquiais ou de clubes desportivos, por exemplo, que, em certos casos, devido à sua expansão, periodicidade, duração, qualidade jornalística ou outras razões, têm lugar na história da imprensa local.

As gerações ainda vivas recordarão os jornais diários O Telégrafo (fundado em 1893) e o Correio da Horta (1930) como aqueles que chegaram aos nossos dias herdeiros dos métodos tipográficos mais arcaicos, mas que, mal-grado as dificuldades que enfrentaram, conseguiram manter acesa a chama da tradição jornalística faialense, até 2004 e 2007, respetivamente.

AS ÚLTIMAS TRÊS DÉCADAS

Na ponta final do século XX, a um largo período em que os habituais ímpetos empreendedores não se revelaram, porventura desencorajados pela estabilidade da publicação dos dois diários atrás referidos, sobreveio mais um tempo que não renega a apetência da Horta e do Faial para laborarem no campo da imprensa.

Com o nome do primeiro jornal publicado no Faial surgiu o semanário Incentivo, em 1990, que inaugurou nesta ilha a impressão no sistema “offset”.

Numa altura em que se observavam na comunicação social muitas transformações, com o licenciamento de canais de televisão privados em Portugal, ou, por exemplo, o lançamento do diário Público, na cidade da Horta apareceu um jornal com fotografias atuais dos acontecimentos, permitidas, precisamente, pelo sistema “offset”.

Na última década do século passado e nas duas primeiras do século XXI, como que interpretando o incentivo do jornal nascido em 1990, que por sua vez procurou encarnar o estímulo do advogado Graça, o Faial recuperou de uma letargia de que o acusavam para assistir à circulação de novos jornais: Incentivo (semanário e diário), Tribuna das Ilhas, Avenida Marginal, Oceânico, Fazendo e Arauto (reedição).

Na fase presente, o padrão de sobrevivência da imprensa faialense mantém-se com a tendência para a longevidade de alguns títulos e o carácter efémero de outros.

A saída do diretor do Tribuna das Ilhas no final de 2020 e a anunciada entrada de um substituto no princípio de 2021 demonstram que este jornal quer continuar o percurso iniciado a 19 de abril de 2002. |X|

Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s