Atlânticoline. Um terço das viagens canceladas

Navio Mestre Simão, da Atlânticoline, à chegada à Madalena, em 2016 Rui Vieira Photography

Linha azul quase intacta e linha verde muito condicionada pelas condições meteorológicas

Souto Gonçalves texto

Vento e ondulação fortes caracterizaram boa parte dos dias do primeiro mês do ano de 2021. O estado do mar influenciou grandemente as ligações marítimas no arquipélago dos Açores ao ponto de terem provocado, nas ilhas do Triângulo, um número significativo de cancelamentos.

As ilhas do Faial, Pico e São Jorge concentram a parte de leão do movimento marítimo de passageiros nos Açores, com especial relevo para a ligação entre as duas primeiras, com um mínimo de quatro “toques” por dia de ambos os lados do Canal.

A inclusão de São Jorge nas viagens de frequência diária e bidiária, que ocorre já há algum tempo, consolidou este circuito triangular e a própria ideia de desenvolvimento da entidade a que se convencionou chamar Triângulo dos Açores.

Portanto, é nesta zona da região que mais se sentem as complicações derivadas da interrupção do transporte marítimo regular.

13 VIAGENS CANCELADAS

De acordo com informação recolhida por ESCREVI.BLOG junto da Atlânticoline, empresa que realiza o transporte marítimo de passageiros e viaturas no arquipélago, no mês de janeiro, das 42 viagens programadas da linha verde (ligação Horta, Madalena, Velas, Madalena, Horta) não se realizaram 13 devido ao mau tempo, o que corresponde a cerca de 30%.

A linha verde assegura a ligação Faial, Pico, São Jorge duas vezes por dia à segunda, quarta e sexta-feira e uma vez nos restantes dias da semana. No primeiro dia do ano não há ligação entre as três ilhas.

A linha azul, a mais emblemática, que remonta, não na designação, mas no itinerário, ao tempo da Empresa das Lanchas do Pico, que notabilizou, em viagens épicas, a relação umbilical entre o Faial e o Pico, manteve, no período em análise, a frequência quase intacta. Só houve dois cancelamentos, um por mau tempo e o outro de natureza operacional. No dia 1 de janeiro uma das quatro viagens diárias entre a Horta e a Madalena não é costume ser feita.

Fica, assim, confirmada a tradição, de muito raramente o Faial e o Pico interromperem a sua histórica ligação diária, com décadas, senão séculos de vigência.

Enquanto isto o imberbe mês de fevereiro já deu sinais de que vai seguir o exemplo do mês que o antecedeu visto que ontem e hoje não houve ligação a São Jorge, o que se repetirá amanhã em relação à primeira viagem do dia. Em face do aviso meteorológico amarelo em vigor a ligação da tarde também deverá ser cancelada.. |X|

COVID-19. Faial sem novos casos

Fotografia de Esmeralda Rosa

Pelo menos desde o princípio do ano não houve nenhum dia em que o número de novas infecções por SARS-CoV-2 tenha sido tão baixo como o que foi anunciado hoje.

Segundo o comunicado da Autoridade de Saúde Regional (ASR) foram diagnosticados nos Açores 13 novos casos positivos, todos na ilha de São Miguel.

No Faial mantêm-se 18 casos positivos ativos, visto que não há novas infecções nas últimas 24 horas. Estão assim distribuídas: três nas Angústias, três em Castelo Branco, uma na Conceição, uma nos Flamengos, nove na Matriz e uma na Praia do Almoxarife.

Depois das últimas 15 recuperações registadas e somando os 13 casos positivos de hoje estão ativas nos Açores 424 infecções, menos duas do que ontem, confirmando a tendência decrescente observada recentemente. |X|

Souto Gonçalves texto

Novo coronavírus

Esmeralda Rosa é uma faialense com particular sensibilidade para as artes, nomeadamente o desenho e a fotografia. Basta percorrer o seu perfil do Facebook para encontrar desenhos cuja semelhança com a realidade é verdadeiramente invulgar. Destacam-se meios bustos e rostos, de um impressionante realismo. E também se pode observar fotografias que exprimem um sentido estético fora do comum.

Entre estas, ESCREVI.BLOG encontrou um pôr-do-sol “escondido” atrás de uma flor, que aqui se reproduz, em toda a sua beleza.

Uma beleza que contrasta com o tempo que todos vivemos presentemente, sob a ameaça da pandemia, num ambiente que dificulta ou impede a contemplação da natureza e do mundo magníficos que nos rodeiam.

Por ironia, esta imagem faz lembrar a “forma” do novo coronavírus…

Será que este crepúsculo é premonitório e nos quer dizer que estamos a caminho do fim do domínio da COVID-19?

Pelo simbolismo que transmite, ESCREVI.BLOG passará a usar esta fotografia como representação do SARS-CoV-2. Fica guardada na lista de ícones deste blogue. |X|

Souto Gonçalves texto