Saúde. Mortalidade sem surpresas no arquipélago

Segundo o Diário dos Açores, no último mês de 2020 e no primeiro de 2021, “não houve excesso de mortalidade nos Açores, ao contrário de outras regiões do país”.

O jornal baseia-se numa análise elaborada por uma investigadora do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (CINTESIS) que se tem dedicado ultimamente a estudar a mortalidade em Portugal.

Em exclusivo para aquele periódico micaelense, Cristina Santos, que também é professora da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, concluiu que nos últimos dois meses “não houve excesso de mortalidade” no arquipélago, “ao contrário de meses anteriores, sobretudo depois de março, em que se registaram na região mais óbitos do que o normal, quando comparado com a média dos últimos cinco anos”.

Dezembro de 2020 / janeiro de 2021 gráfico publicado pelo Diário dos Açores

O jornal escreve que “a linha a azul [do gráfico] representa a totalidade da mortalidade diária nos Açores e a linha amarela representa a mortalidade total diária nos Açores descontando os mortos por COVID-19”.

Dirigido pelo jornalista Osvaldo Cabral, este mais que tricinquentenário jornal de Ponta Delgada examina as linhas do gráfico sublinhando que estão “praticamente sobrepostas porque nos Açores há um número reduzido de mortes que não são atribuídas à COVID-19”.

“A linha a preto — prossegue, explicando — é a linha de base dos últimos cinco anos nos Açores e a linha a ponteado é o valor acima do qual se considera excesso de mortalidade (metodologia EUROMOMO)”.

Souto Gonçalves texto

Meteorologia. Forte agitação marítima nos próximos dias

Fotografia de arquivo

A Autoridade Marítima Nacional (AMN) antevê que os próximos dois dias tragam ao arquipélago dos Açores um agravamento do estado do tempo, com muito vento e mar bravo.

“A agitação marítima será caracterizada por uma ondulação proveniente de noroeste, com uma altura significativa que poderá atingir oito metros e uma altura máxima de 12 metros, com período médio entre 13 e 16 segundos”, lê-se no portal da internet da AMN.

“O vento — acrescenta aquele organismo — poderá registar uma intensidade média superior a 70km/h e rajadas superiores a 110km/h, provenientes do quadrante oeste.”

Ondulação prevista para as 00h00 de quinta-feira, altura em que as ondas terão maior expressão imagem extraída do portal do Instituto Hidrográfico

A partir das 6 horas de amanhã o Grupo Central do arquipélago ficará sob aviso amarelo para agitação marítima, subindo para o grau laranja pelas 15 horas e até ao meio-dia de quinta-feira. Logo a seguir volta a vigorar aviso amarelo, que terminará a sua vigência ao meio-dia da sexta-feira.

O Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) já recomendou que sejam tomadas as habituais medidas de autoproteção.

As previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) não são tão gravosas. |X|

Souto Gonçalves texto

COVID-19. Faial no bom caminho

Fotografia de Esmeralda Rosa

O concelho da Horta tem, presentemente, quatro casos positivos ativos do novo coronavírus, após a verificação, de ontem para hoje, de mais três recuperações: uma em Castelo Branco, outra nas Angústias e mais uma na Matriz.

Nas últimas 24 horas não foram diagnosticados casos positivos nesta ilha.

Mantém-se internado um indivíduo do sexo masculino, no Hospital da Horta, sem necessitar de cuidados intensivos, permanecendo ativa a cadeia local de transmissão do SARS-CoV-2.

Os quatro casos ativos no Faial estão localizados na Matriz (3) e na Praia do Almoxarife (1).

A nível Açores, atualmente, estão ativos 202 casos, distribuídos por São Miguel (174), Terceira (21), Faial (4) e São Jorge (3).

Desde o início da pandemia foram registadas 3.741 infecções, 27 óbitos e 3.409 recuperações. |X|

Souto Gonçalves texto