Ambiente. Mais cedros nos charcos de Pedro Miguel

Chuva tem favorecido os charcos fotografia de João Melo

Plantação de 800 pés em dois dias numa ação de conservação da natureza levada a cabo pelo Parque Natural da Ilha do Faial (PNIF)

SOUTO GONÇALVES TEXTO

No ano de 2012 alunos das escolas do Faial participaram numa plantação de cedros nas margens dos charcos de Pedro Miguel. Nove anos depois, nesta sexta-feira, o PNIF, que é responsável pela gestão daquele lugar, iniciou uma nova plantação. Foram 400 plantas hoje [na fotografia, de João Melo] e serão mais 400 na próxima segunda-feira. No final, dois milhares de cedros, contando com a plantação inicial.

O diretor do PNIF disse a ESCREVI.BLOG que esta iniciativa insere-se na atividade normal de conservação da natureza que cabe àquele organismo. João Melo explicou que, no caso em apreço, o objetivo da plantação é “tentar replicar um habitat típico de média altitude” do Faial. Os cedros que existem na Caldeira são um exemplo dessa característica observada na vegetação da ilha. |X|

Pirotecnia. Fogo-de-artifício apreendido na Madalena

Foram apreendidos na Madalena do Pico quase 700 artigos de pirotecnia no âmbito de uma ação da Esquadra de Fiscalização de Armas e Explosivos da PSP.

De acordo com o relatório diário da atividade policial nos Açores a apreensão resultou de uma operação de fiscalização “direcionada a artigos de pirotecnia de livre circulação”.

“Foi constatada a venda de fogo-de-artifício por um distribuidor em incumprimento das obrigações legais”, explicou a PSP, que, por isso, apreendeu 693 artigos, dos quais 590 encontravam-se indevidamente rotulados [na fotografia/PSP]. |X|

Souto Gonçalves texto

COVID-19. Nove mil açorianos a caminho da vacinação

Clélio Meneses diz que vacinas sobrantes não vão “colocar a serem vacinadas pessoas que nunca seriam” fotografia: Comunicação do Governo dos Açores/arquivo

No meio da tempestade sobre vacinas aplicadas de forma alegadamente indevida, o secretário da Saúde lembra os números da vacinação e propõe-se ser ouvido no parlamento para “garantir a maior transparência a um processo que tem que ser claro e motivador da confiança da população”

Souto Gonçalves texto

No final da terceira semana do corrente mês, ou seja, no final da próxima semana, cerca de nove mil açorianos estarão vacinados contra a COVID-19.

O número foi avançado ontem pelo secretário regional da Saúde e Desporto durante a habitual conferência de imprensa das quintas-feiras, na qual são anunciadas as decisões semanais do conselho do governo sobre a pandemia.

Nessa altura, disse Clélio Meneses, em todas as ilhas haverá pessoas com pelo menos uma inoculação da vacina.

A RTP-Açores emitiu, entretanto, uma reportagem na qual especifica os diversos passos da vacinação no arquipélago, em termos numéricos.

Até ao dia 7 de fevereiro (último domingo) já estavam vacinadas (com duas inoculações) quase seis mil pessoas, depois da chegada das primeiras vacinas, no final do ano passado, segundo a televisão regional.

Entretanto, até à passada terça-feira (dia 9) mais cerca de dois milhares de açorianos receberam a primeira toma do antídoto contra a COVID-19, acrescentou a RTP-Açores.

Na próxima semana chegarão aos Açores quase seis mil doses da vacina para abranger os indivíduos que já receberam a primeira inoculação. Além disso prosseguirá a parte restante do plano delineado vacinando mais gente, concluiu a estação pública de televisão, adiantando ainda que a primeira fase da vacinação estará terminada em abril.

Em março chegarà à região mais uma remessa deste desejado “remédio”.

LISTAS PARA AS SOBRAS DAS VACINAS

Aludindo à polémica sobre vacinações feitas, alegadamente, de forma indevida ou abusiva, o secretário regional informou que “foi determinado que as unidades de saúde, que são as entidades responsáveis pela administração das vacinas, definissem listas com pessoas para a administração das doses ditas sobrantes sempre seguindo os critérios que estão definidos no plano regional de vacinação”.

Clélio Meneses esclareceu que “as listas de sobrantes não vão inventar nada, nem vão colocar a serem vacinadas pessoas que nunca seriam”.

“Quando uma unidade de saúde prepara as vacinas para o dia em que vão ser administradas a um determinado público tem que preparar ao mesmo tempo as pessoas que se seguem”, disse Clélio Meneses, insistindo que é fundamental “precaver a situação para não existirem doses sobrantes que podem criar dúvidas”, .

O governante explicou que os grupos prioritários integram “os funcionários e utentes das estruturas residenciais para pessoas idosas, profissionais de saúde e internados de cuidados continuados, profissionais e utentes de lares residenciais e centros de atividades ocupacionais equiparados, profissionais de saúde diretamente envolvidos na prestação de cuidados a doentes, profissionais das forças armadas, forças de segurança e serviços críticos, pessoas com 50 ou mais anos com pelo menos uma das seguintes patologias: insuficiência cardíaca, doença coronária, insuficiência renal ou doença respiratória crónica sob suporte ventilatório, pessoas com 75 anos ou mais”.

O secretário regional da Saúde e Desporto anunciou que pediu para ser ouvido pela Comissão de Assuntos Sociais da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores com o propósito de “esclarecer todas as questões relacionadas com o processo de vacinação”.

Para Clélio Meneses “o clima de ruído e suspeição que alguns têm tentado criar” levou a que ele próprio tomasse a iniciativa de solicitar a audição parlamentar. O secretário da Saúde quer, assim, “garantir a maior transparência a um processo que tem que ser claro e motivador da confiança da população”, o que só poderá ser alcançado se tudo for “transparente” e “não exista qualquer dúvida que o possa prejudicar”. |X|

COVID-19. Faial sem novos casos há cinco dias

Fotografia de Esmeralda Rosa

A Autoridade de Saúde Regional (ASR) informou que foram registados nos Açores, nas últimas 24 horas, 19 casos positivos da COVID-19, dos quais 17 em São Miguel, um na Terceira e outro no Pico.

O caso do Pico, na freguesia das Bandeiras, foi detetado no exame do sexto dia num indivíduo não residente.

Presentemente há 126 casos positivos ativos nos Açores: 104 em São Miguel, 16 na Terceira, três em São Jorge, dois no Faial e um no Pico.

No Faial não se registaram novas infeções, mantendo-se ativa uma cadeia de transmissão, repartida pelas freguesias da Matriz e da Praia do Almoxarife.

Hoje é o quinto dia consecutivo sem novos casos no Faial, o último foi registado a 7 de fevereiro.

Até agora foram diagnosticados 3.773 casos positivos na região. Já ocorreram 29 mortes e 3.515 recuperações. |X|

Souto Gonçalves texto