Mais de mil vacinados no Faial

Clélio Meneses detalhou os números da vacinação por ilhas fotografia com direitos reservados


Até à próxima terça-feira haverá no Faial 834 pessoas com a primeira toma da vacina que previne a COVID-19 e 270 com a vacinação completa, ou seja, com a segunda inoculação. Esta informação partiu do secretário regional da Saúde e Desporto, em conferência de imprensa, hoje realizada.

Por ilhas, a distribuição da vacinação é a seguinte, de acordo com os números anunciados por Clélio Meneses:

O governante acrescentou que chegarão aos Açores na próxima terça-feira 8.300 doses da vacina da Astrazeneca, dirigidas aos profissionais de saúde do sector privado e profissionais dos sectores de segurança. A vacina da Pfizer, disse ainda, chegará em duas fases: na próxima segunda-feira (5850 doses) e até 15 de março (700 doses).

TESTES PARA VIAJAR DEIXAM DE SER OBRIGATÓRIOS

O secretário regional informou também que a partir das 00h00 do dia 2 de março deixarão de ser obrigatórios os testes à COVID-19 para quem sair de São Miguel em viagem interilhas. |X|

SOUTO GONÇALVES TEXTO

Semana do Mar em dúvida

José Leonardo: realização da Semana do Mar 2021 está em avaliação fotografia com direitos reservados


O presidente da Câmara Municipal da Horta admitiu na tarde de hoje que a Semana do Mar poderá não se realizar em 2021. Falando na Assembleia Municipal da Horta, que se encontra reunida nos paços do município, José Leonardo afirmou que os festejos só terão lugar se mantiverem o seu tradicional modelo. Se assim não for, adiantou, poderá haver alguma iniciativa, mas terá outro nome.

Em reação à declaração do presidente do município, o deputado municipal do PCP, José Decq Mota, manifestou o seu acordo, recusando que se realize “uma caricatura” dos maiores festejos da ilha do Faial e dos Açores.

A incerteza relaciona-se com a pandemia, cuja evolução ainda é uma incógnita.

A Semana do Mar, iniciada em 1975, foi candelada em 1998, por causa do terramoto de 9 de julho desse ano que atingiu fortemente a ilha do Faial e no ano passado, já por causa do surgimento do novo coronavírus. |X|

SOUTO GONÇALVES TEXTO

Não há novos casos positivos

Fotografia de Esmeralda Rosa


“Nas últimas 24 horas, as 1.963 análises realizadas na região não revelaram qualquer resultado positivo”. É assim que começa a informação lançada na manhã de hoje pela Autoridade de Saúde Regional (ARS) sobre a pandemia nos Açores. “Deixou de existir qualquer internamento nos hospitais regionais”, acrescenta o texto.

Esta sexta-feira fica também marcada pelo facto de a ilha Terceira já não ter casos positivos ativos do novo coronavírus, juntando-se às ilhas de Santa Maria, Graciosa, São Jorge, Flores e Corvo.

Segundo a ASR, “para encontrar um dia sem casos positivos nos Açores é preciso recuar a 17 de outubro de 2020”. Nessa altura, “os casos surgiram diariamente em crescendo e a 11 de janeiro a região atingiu o máximo de 132 casos” num só dia, situação que a ASR atribui aos “rastreios em massa”. Uma semana depois, no dia 18 do primeiro mês de 2021, registavam-se mais de 900 casos ativos em todo o arquipélago. Passaram, entretanto, quatro meses e dez dias desde a data em que não foi registado nenhum caso, como hoje aconteceu.

Existem, presentemente, 56 casos positivos ativos (47 em São Miguel, oito no Pico e um no Faial). Desde o início da pandemia foram apurados 3.839 casos positivos, tendo recuperado da doença 3.649 indivíduos. Faleceram 29 pessoas até agora. |X|

SOUTO GONÇALVES TEXTO

Doca sem cotovelo por oito milhões

Porto da Horta não oferece condições de atracagem a navios de grande porte fotografia de arquivo: Souto Gonçalves

O diário faialense informou hoje, em primeira mão, que a empresa Portos dos Açores mandou realizar um estudo sobre “o reperfilamento do cais comercial do porto, retirando o chamado cotovelo da doca”. O Incentivo adianta que a empresa que gere os portos do arquipélago encara este projeto “como decisivo para o futuro da economia do Faial”.

O periódico, dirigido pelo jornalista Rui Gonçalves, explica que “após a pandemia, as empresas de navios de cruzeiro estão a abandonar os navios mais pequenos, prevendo-se que o movimento de cruzeiros que passam pelos Açores se intensifique com navios de 300 metros. Nessa medida, o Faial, para recebê-los, constituindo assim um dos pontos de toque nos Açores, terá que dispor de um cais com o comprimento necessário, caso contrário, poderá perdê-los para outros portos da
região”.

O reperfilamento do molhe sul da doca da Horta está em estudo 145 anos depois do início da sua construção fotografia de arquivo: Souto Gonçalves

Ainda de acordo com a manchete de hoje do Incentivo “o reperfilamento do cais comercial levaria a um acréscimo do valor da obra da segunda fase do porto na ordem dos oito milhões de euros”.

Os testes realizados no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) sobre este assunto produziram bons resultados, no dizer do jornal. |X|

SOUTO GONÇALVES TEXTO