FAIAL TODOS OS DIAS

Mulher “piza-se” na venda de galinhas

MEMÓRIA DA IMPRENSA

MAU TEMPO NO CANAL | “Da ilha do Pico só passaram hoje duas embarcações”, escreveu O Telegrapho na segunda-feira, 17 de novembro de 1902, há 119 anos, em rodapé, na primeira página, deduzindo-se que, em pleno outono, o tempo não estivesse de feição. Esta notícia era acompanhada por outra, mais desenvolvida e curiosa, também sobre o Canal. “Deu-se ha dias no canal o seguinte facto: vinham para a Horta dois barcos, um dos quaes era governado por pessoa inexperiente, que teimou em adiantar esse barco ao outro, que seguia no mesmo rumo e a pequenissima distancia, a ponto de metter á orça sobre o outro, no intuito de lhe diminuir a marcha para ser o primeiro em alcançar o porto. O outro barco cedeu prudentemente. Vá este facto com vista ao sr. Capitão do porto.”

TRABALHADOR CYPRIANO PIZADO | Todos sabemos que a vida da Horta sempre girou em torno do seu porto, mas há um século a azáfama gerada nos cais da baía desta cidade tinha outro cariz, próprio da época, que, visto agora, a tanta distância, dá azo a um olhar romanesco. O seguinte episódio ilustra bem esse tempo muito diferente do atual: “Pizou-se hoje a bordo do vapor inglez que se encontra na doca descarregando carvão, o trabalhador Cypriano Gonçalves Ligeiro, devido a uma explosão n’um deposito de carvão. Abrindo a escotilha, desceu ao deposito, incendiando-se immediatamente o combustivel. Ligeiro ficou muito pizado e queimado, indo receber curativo ao hospital.”

DABNEY | O Século dos Dabney foi o de oitocentos, mas no início do seguinte esta famosa família norte-americana, que marcou a história faialense, continuava a ser notícia: “As duas pessoas da familia Dabney passarão por esta cidade no paquete inglez Vancouver.”

MOVIMENTO PORTUÁRIO | Como já se disse, o movimento do porto era constante. O Telegrapho noticiava, na edição de 17 de novembro de 1902, que “para a Hollanda saiu sabbado do nosso porto depois de receber 60 toneladas de carvão da casa Bensaude, o vapor inglez ‘CarlslrooK’ de 1350 ton. procedente de Mobille com carga de madeira”.

VENDENDO GALINHAS | Mas, nem só de mar vivia a cidade e a ilha. Este dia 17 de novembro, em 1902, não foi de sorte para o Cypriano Ligeiro, nem para uma senhora que apenas pretendia fazer pela vida, na sua modesta condição. O Telegrapho informou que “cahiu pela escada da residencia dos empregados alemães do Cabo, uma pobre mulher do monte que andava vendendo galinhas. Soffreu algumas contusões”. |X|

NOTA: As citações respeitam a ortografia da época. Provavelmente por falta de tipo (caracteres) nas tipografias algumas palavras não eram devidamente acentuadas.

Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s