Inveja?

Não assisti, porque não pude, à sessão solene comemorativa do 189.º aniversário da elevação da Horta de vila a cidade e também não acompanhei, pelas mesmas razões, a respetiva transmissão direta e integral efetuada através do Facebook. No entanto, “en passant”, verifiquei a ausência, no lugar que lhes é devido, dos vereadores do Partido Socialista.

Está instalado na governação municipal, há muito tempo, o (mau) hábito da segregação dos partidos da oposição. Ainda me lembro de, após a revolução que devolveu a liberdade aos portugueses, persistirem tiques do Estado Novo. Na Câmara da Horta, esmagadoramente dominada pelo PSD, aos vereadores da oposição eram destinados os pelouros de importância julgada menor, numa atitude de ostensiva provocação e humilhação. Se não estou em erro, à D. Maria Zulmira (D. Zulmira do Cartório), era atribuído o pelouro dos cemitérios, o que não a impediu de realizar um trabalho meritório e digno, apesar da pretensa desconsideração.

Mais tarde, as maiorias absolutas abocanharam todos os pelouros e o PS fez gala de uma prática sobranceira em relação ao PSD, chegando, nalguns casos, à objetiva penalização do rival com atos administrativos discriminatórios (por exemplo: atrasar pagamentos de serviços a prestadores ligados aos sociais-democratas) Dir-me-ão: a política é assim! E eu responderei: a política não, (algumas) pessoas que fazem política!

Portanto, este clima crispado fez escola e mantém-se e só é amenizado quando as circunstâncias obrigam, como foi o caso da “maioria plural”, quando PS e CDU se entenderam para governar a Câmara, pois os socialistas não chegaram à maioria absoluta.

No dia-a-dia apenas excecionalmente vemos lado a lado, nos atos públicos, todos os vereadores dos partidos com assento na vereação. Quem está no poder agradece a falta de comparência da oposição, para não correr o risco de ser ofuscado e quem representa a oposição prima pela ausência para não valorizar o trabalho do executivo. E andamos nisto!

No dia-a-dia apenas excecionalmente vemos lado a lado, nos atos públicos, todos os vereadores dos partidos com assento na vereação. Quem está no poder agradece a falta de comparência da oposição, para não correr o risco de ser ofuscado e quem representa a oposição prima pela ausência para não valorizar o trabalho do executivo. E andamos nisto!

Como toda a regra tem exceção, o aniversário da cidade é um dos (poucos, senão único) momentos em que, engravatados (ou não), todos se predispõem a participar. É um bom exemplo, que deveria ser sempre seguido.

Acontece que este ano, conforme verifiquei, os vereadores do PS, nos quais se inclui o anterior presidente da Câmara, eclipsaram-se! Será que o fizeram por razões ponderosas, que eu e os faialenses desconhecem, ou será birra e inveja em face dos sinais de aceitação geral que a gestão do Município está a granjear, sobretudo nos últimos dias, por causa, principalmente, da Noite Branca e do programa Somos Portugal transmitido pela TVI? |X|

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s