Temperatura máxima superior a 27 graus

No passado termómetros chegaram a marcar mais de 30 graus

Continuar a ler →

ÁGUA PELA BARBA NO FAIAL

Os faialenses acordaram hoje ao som de chuva torrencial que, a espaços, se prolongou ao longo do dia provocando inundações e estragos

Baía do Varadouro | fotografia de César Matos

As zonas mais atingidas pelas fortes chuvadas situaram-se a sul do Faial, onde as freguesias da Feteira e Castelo Branco sofreram fortes enxurradas, tendo sido afetada uma moradia, no lugar da Lombega, o que obrigou a realojamento.

Ribeiras saíram dos leitos devido aos abundantes caudais e vários troços de estrada ficaram inundados.

Proteção civil, bombeiros, serviços governamentais e municipais estiveram no terreno tentando minimizar as consequências do mau tempo.

Já ao fim do dia alguns condutores chamaram à atenção, através das redes sociais, para uma derrocada que ocorreu na Estrada Regional entre Castelo Branco e Capelo, próximo do lugar da Ribeira do Cabo.

A estação meteorológica instalada no Aeroporto da Horta registou, pelas 17 horas, 72 mm de precipitação acumulada nas 12 horas antecedentes.

Entretanto o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou para laranja, depois de ter estado em amarelo, o aviso de “precipitação forte, podendo ser acompanhada por trovoada” até ao início da manhã de amanhã. |X|

CHUVA INTENSA A COMEÇAR O DIA

De acordo com as previsões meteorológicas o Faial está a ser fustigado desde a madrugada desta segunda-feira, 8 de novembro, por fortes chuvadas

Entre as 6 e as 7 horas o valor da pluviosidade na ilha do Faial atingiu os 12 mm. A chuva tem caído a espaços com grande intensidade. As estradas, a certa altura, ficaram cobertas de água, o que dificulta a circulação rodoviária.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) tem em vigor um aviso amarelo até às 5 horas de amanhã, prevenindo contra “precipitação por vezes forte, acompanhada de trovoada” no Grupo Central do arquipélago em resultado de “uma superfície frontal fria com ondulações”.

Previsão do estado do tempo para hoje, segunda-feira, para o Grupo Central dos Açores: céu geralmente muito nublado. períodos de chuva por vezes forte; possibilidade de trovoada; vento sul moderado (20/30 km/h), tornando-se bonançoso (10/20 km/h) e rodando para sudoeste. Para amanhã: céu geralmente muito nublado, com abertas para a tarde; possibilidade de trovoada; períodos de chuva na madrugada e manhã, passando a aguaceiros; vento do quadrante leste fraco a bonançoso (05/20 km/h). |X|

TEMPESTADE WANDA EVITA OS AÇORES

Imagem extraída do Windguru às 11 horas dos Açores

A tempestade tropical Wanda vai passar a rasar o arquipélago, a noroeste, ao meio-dia de amanhã, domingo, 7 novembro, para depois começar a perder força. As ilhas mais ameaçadas serão as Flores e o Corvo, onde o vento soprará com rajadas que não deverão atingir 70 km/h, acompanhado de previsto períodos de chuva. É caso para dizer que desta vamos escapar! |X|

Bom e mau tempo no horizonte

Uma visita do bom tempo é sempre bem-vinda fotografia (arquivo) de José Manuel Garcia: encosta norte da Caldeira do Faial e matos dos Cedros — Ribeira Funda


SOUTO GONÇALVES TEXTO

Nos próximos dias a atmosfera vai apresentar-se como um menu, em que se poderia escolher entre céu descoberto, nuvens, chuva, vento e até trovoada

“Uma vasta região de altas pressões (anticiclone), localizada a sul do arquipélago, condicionará favoravelmente o estado do tempo em todas as ilhas até à próxima quarta-feira”, previu na manhã de hoje no Facebook Martins Goulart.

Da sua habitual pesquisa nos “sites” de meteorologia Martins Goulart conclui que o céu se apresentará “nublado, com boas abertas”, o vento soprará “bonançoso de oeste, rodando para sudoeste” e cairão “aguaceiros ocasionais de fraca intensidade e duração”.

A partir de quinta-feira ocorrerá “um novo agravamento das condições meteorológicas, em resultado da aproximação e passagem de uma superfície frontal fria, com actividade moderada, associada a uma depressão cavada que, nessa altura, estará localizada a norte do arquipélago, na latitude das ilhas britânicas”, adianta este cibernauta, cuja antevisão do estado do tempo se tem apresentado com um reconhecido grau de fiabilidade.

“A intensidade do vento, de Sudoeste, crescerá, devendo soprar muito fresco, com rajadas que poderão atingir os 75 km/h, acompanhado de precipitação, por vezes intensa”, lê-se no texto publicado.

“A curta borrasca — acrescenta — atingirá o seu pico na sexta-feira por volta do final da manhã, com vento muito fresco/forte de Oeste (rajada máxima da ordem dos 90-100 km/h), chuva durante todo o dia, possibilidade de trovoadas e uma descida da temperatura atmosférica (sensação térmica entre os 3º C e os 5º C).”

À entrada do fim de semana, no sábado, “o quadro previsional será semelhante ao da véspera, com vento de Noroeste, mais brando e menos precipitação”.

No Domingo, “o vento de Oés-sudoste/Sudoeste será bonançoso e, embora o céu se deva apresentar muito nublado, a prevista ausência de precipitação e de um aumento da temperatura do ar permitirão uma folga para se poder andar na rua sem guarda chuva, mas respeitando sempre as normas cautelares impostas pela pandemia”, conclui José António Martins Goulart. |X|