FUTEBOL. Fayal Sport perde no Pico contra o Vitória FC

Conjunto faialense ainda não conseguiu nenhum resultado positivo

Cumpriu-se hoje a jornada 11 (de 18) da fase única do Campeonato de Futebol dos Açores, à exceção de um jogo dos cinco programados.

O Fayal Sport, último classificado com apenas dois pontos, fruto de dois empates, deslocou-se a São Roque do Pico [na imagem, da LajesTV] na esperança de desfeitear o destino, mas não logrou tal desiderato, pois o Vitória FC mostrou-se superior, embora tenha vencido pela margem mínima (2-1).

Só não se pode dizer, no rescaldo da jornada, que os faialenses são mais últimos porque a equipa que antecede a turma da Associação de Futebol da Horta (AFH), o Santiago FC também perdeu e por uma grossa desvantagem (5-0) contra o Angrense.

O Vitória FC, fazendo jus ao nome, não só ganhou os três pontos como ficou mais próximo do grupo de cinco equipas da frente, que constitui a primeira metade da tabela classificativa.

A equipa do Pico, já muito rodada na prova regional, obteve um duplo benefício na jornada, pois além do ter vencido o encontro com os seus opositores do Faial tirou dividendos do empate do Boavista CR com o Lusitânia, colocando-se a um ponto do 5.º classificado, precisamente os axadrezados da Ribeirinha da ilha Terceira.

O jogo Operário — SC Marítimo foi adiado.

NOTA: o primeiro classificado sobe ao Campeonato de Portugal e os três últimos classificados descem para as provas “distritais”.

|| SOUTO GONÇALVES texto

Fayal Sport reduzido a sete

Treino no princípio da época: nem todos os jogadores conseguem deslocar-se para participarem nos encontros fora da ilha fotografia: direitos reservados


O Fayal Sport deslocou-se hoje a São Miguel para disputar com o GD São Roque uma partida da 9.ª jornada do Campeonato de Futebol dos Açores (CFA), que acaba de ser retomado, após interrupção por causa da pandemia.

O jogo terminou logo a seguir ao intervalo, na sequência de uma lesão do veterano capitão do Fayal Sport Marco Anselmo, que já se encontrava “tocado” após um lance na 1.ª parte.

A equipa visitante viu-se reduzida a seis elementos, o que levou o árbitro a dar por concluída a partida visto que o regulamento o impõe, sendo atribuída a vitória ao outro contendor.

A turma faialense apresentou-se antes do apito inicial somente com sete jogadores por dificuldade de deslocação para o exterior da ilha de uma boa parte do plantel, inclusivamente do treinador Horácio Goulart.

Perante um dos mais fortes conjuntos do CFA, que lidera a prova à condição (com mais um jogo do que os 2.º e 3.º classificados, Lusitânia e Angrense, que amanhã jogam entre si e têm, respetivamente, menos 1 e 2 pontos do que o 1.º classificado após o embate deste com os “verdes da Alagoa”), a turma de Horácio Goulart bateu-se com denodo, em face da enorme desvantagem numérica no que toca aos atletas que se encontravam dentro do retângulo, só sofrendo o primeiro golo aos 36 minutos.

A partida foi para o intervalo com o GD São Roque em vantagem (2-0), ampliada para 3-0 como “castigo” pela insuficiência de jogadores para terminar a disputa, após a já referida lesão do capitão verde.

A rádio Azores High, do Faial, transmitiu no Facebook, em vídeo e em direto, o encontro, tendo-se observado uma atuação da equipa do Faial muito digna, com o guardião Luís Freitas num plano de destaque, conforme referiu o narrador Roberto Serpa.

FAYAL SPORT EVITA FALTA DE COMPARÊNCIA

O presidente do Fayal Sport explicou a ESCREVI.BLOG que a indisponibilidade dos jogadores para a deslocação se relaciona com as exigências de testagem à COVID-19 e à quarentena a que se sujeita quem provém de São Miguel.

Uma vez que a equipa verde não se baseia em elementos que façam do futebol a sua profissão, torna-se difícil obter das respetivas entidades patronais a dispensa para cumprimento das restrições derivadas da pandemia, explicou Luís Carlos Rosa.

A falta de comparência ao jogo levaria o Fayal Sport a sofrer um “rombo” financeiro da ordem dos seis aos 10 mil euros, entre multas e incumprimento de contratos-programa com o governo.

Luís Carlos Rosa, que já foi jogador e treinador dos “verdes da Alagoa”, lembrou que defendeu o adiamento da prova, que na jornada de hoje e amanhã completa metade da fase única, mas os seus intentos não lograram junto da maioria dos clubes que tomam parte no CFA, nem das associações de futebol do arquipélago, nomeadamente a da Horta, que organiza a competição na presente temporada.

Com a eliminação da obrigatoriedade, a partir de terça-feira próxima, da realização de testes por quem viaja de avião de São Miguel, o presidente do Fayal Sport diz não saber, ainda, se o teste ao 6.º dia dos seus jogadores que viajem amanhã de São Miguel terá que ser efetuado. Se assim for, alerta, a testagem coincidirá com o próximo sábado, dia em que está programada uma nova deslocação da equipa faialense, desta feita para enfrentar o Lusitânia, na ilha Terceira. Os testes — interroga-se Luís Carlos Rosa — serão feitos na Horta ou em Angra do Heroísmo?

O Fayal Sport ocupa a última posição da tabela classificativa, com apenas dois empates e a dois pontos do penúltimo, o Santiago FC da ilha de São Miguel. |X|

SOUTO GONÇALVES TEXTO