Atividade sísmica ao largo do Faial

A meio da tarde deste domingo foram sentidos dois sismos de grau IV na freguesia do Capelo.

Até à hora da redação desta notícia (19h51) e durante este domingo, 10 de julho de 2022, o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA) registou cinco sismos a oeste do Faial, a uma distância aproximada de 30 quilómetros da ilha [na imagem, do CIVISA]. O primeiro evento ocorreu ao fim da manhã, às 11h47 e os quatro seguintes às 15h19, 15h21, 15h52 e 15h55, atingindo a magnitude de 2.1, 3.5, 2.4, 3.0 e 2.3 da Escala de Richter, respetivamente. Os sismos das 15h19 e das 15h52 foram sentidos com a intensidade IV da Escala de Mercalli Modificada na freguesia do Capelo, enquanto o abalo das 15h52 também foi sentido na Feteira e na Praia do Norte com a intensidade III/IV da mesma Escala. A distância apurada foi de 29 quilómetros da costa faialense para o sismo das 15h19 e 32 quilómetros para o das 15h52.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) assinalou, igualmente, os cinco sismos, embora não dê notícia de que algum tenha sido sentido, referindo, por seu turno, a profundidade em que os mesmos se verificaram: 3, 7, 7, 8 e 3 quilómetros, segundo a ordem cronológica em que aconteceram. A magnitude registada pelo IPMA, como é habitual, difere ligeiramente da magnitude apresentada pelo CIVISA, porque provém de uma rede sismográfica diferente. Para o IPMA o sismos atingiram, respetivamente, os graus 2.3, 3.1, 2.6, 3.6 e 2.1.

Enquanto isto prossegue a crise sísmica de São Jorge, com cinco sismos registados neste domingo até à hora da redação desta notícia (19h51), o maior dos quais atingiu o grau 2.0 das Escala de Richter e nenhum foi sentido.

Os sismos a oeste do Faial inserem-se numa área de atividade sísmica muito frequente, cuja zona epicentral se situa a cerca de 30 ou mais quilómetros a oeste da ponta dos Capelinhos, produzindo, normalmente, eventos que não atingem magnitudes que provoquem efeitos em terra, a não ser pequenos abalos, como os que agora se verificaram.

Recorde-se que a Escala de Richter mede a magnitude do sismo, ou seja, a força com que se manifesta no hipocentro (local de origem), enquanto a Escala de Mercalli Modificada avalia a intensidade, isto é, os efeitos no terreno. Por exemplo: o sismo de hoje que atingiu o grau 3.5 (Richter) se tivesse ocorrido mais perto da costa do Faial, com a mesma magnitude, teria alcançado um registo muito superior a IV na Escala de Mercalli Modificada.

A localização dos sismos reporta-se ao epicentro que é o ponto da superfície terrestre correspondente à projeção, em linha reta, do hipocentro (ponto de libertação da energia do evento). |X|

TEMPO. Sol de verão com aviso laranja

Quem esteve atento às previsões meteorológicas ter-se-á dado conta de que, ao contrário de chuva forte acompanhada de trovoada anunciadas, o Faial gozou, hoje, um dia primaveril, com o sol a fazer inveja ao brilho que o astro-rei exibe em plena canícula.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) emitiu avisos amarelo e laranja, prevenindo para o mau tempo que se avizinharia.

Olhando para a fotografia, extraída do portal (site) do IPMA, verifica-se que, ao meio-dia, o mau tempo, representado pela cor azul clara, se encontrava mesmo ao lado da ilha do Faial.

Durante a noite passada choveu por estas bandas, mas o movimento dos ares levou a que, ao longo do dia — período que estava abrangido pelo aviso laranja —, esta ilha escapasse.

Com efeito, a previsão do IPMA dirigia-se ao Grupo Central, que foi, de facto, atingido pela intempérie, mas só em parte.

Quando, por vezes, se critica o IPMA por não acertar nas previsões, esquece-se que pode acontecer o que hoje ocorreu, ou seja, um capricho da natureza fazer com que a chuva passe um pouco mais ao lado de uma ou outra ilha. |X|

AVIÕES ATERRAM NORMALMENTE

Voo SP 570 da SATA Air Açores após a ligação Ponta Delgada – Horta neste domingo, 21 de novembro de 2021 | fotografia de Herberto Gomes

Apesar da chuva intensa, durante a madrugada e manhã e das nuvens muito baixas o movimento aeroportuário no Faial está a decorrer com normalidade. Durante a manhã de hoje aterraram no Aeroporto da Horta quatro aeronaves da SATA, provenientes de Ponta Delgada, de Lisboa, do Corvo e das Flores e ainda um avião da Força Aérea Portuguesa (FAP), da esquadra “Elefantes” (parecido com o “Aviocar”). Ainda está previsto mais um voo da SATA ao fim da tarde, com origem em Ponta Delgada.

O arquipélago dos Açores está sob aviso amarelo emitido pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) por causa de “precipitação por vezes forte, podendo ser acompanhada por trovoada”, vigorando, no Grupo Central, até às 20 horas de amanhã. |X|

Mau tempo no fim de semana

Chuva e vento no sábado e domingo próximos, 20 e 21 de novembro, é a previsão do tempo para o Grupo Central do arquipélago de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que emitiu um aviso amarelo, em vigor entre as 11 horas de amanhã e as 23 horas do dia seguinte, por causa de “precipitação por vezes forte, podendo ser acompanhada por trovoada”.

PREVISÃO DO IPMA PARA O GRUPO CENTRAL

Sábado: Céu geralmente muito nublado; períodos de chuva e aguaceiros, por vezes fortes a partir da tarde; condições favoráveis à ocorrência de trovoada; vento sueste moderado a fresco (20/40 km/h) com rajadas até 60 km/h. Domingo: Céu geralmente muito nublado; períodos de chuva e aguaceiros; possibilidade de trovoada; vento leste fresco (30/40 km/h), tornando-se muito fresco a forte (40/65 km/h) com rajadas até 80 km/h, rodando para sul para a noite.

Na segunda-feira verificar-se-á uma melhoria do estado do tempo. |X|

ÁGUA PELA BARBA NO FAIAL

Os faialenses acordaram hoje ao som de chuva torrencial que, a espaços, se prolongou ao longo do dia provocando inundações e estragos

Baía do Varadouro | fotografia de César Matos

As zonas mais atingidas pelas fortes chuvadas situaram-se a sul do Faial, onde as freguesias da Feteira e Castelo Branco sofreram fortes enxurradas, tendo sido afetada uma moradia, no lugar da Lombega, o que obrigou a realojamento.

Ribeiras saíram dos leitos devido aos abundantes caudais e vários troços de estrada ficaram inundados.

Proteção civil, bombeiros, serviços governamentais e municipais estiveram no terreno tentando minimizar as consequências do mau tempo.

Já ao fim do dia alguns condutores chamaram à atenção, através das redes sociais, para uma derrocada que ocorreu na Estrada Regional entre Castelo Branco e Capelo, próximo do lugar da Ribeira do Cabo.

A estação meteorológica instalada no Aeroporto da Horta registou, pelas 17 horas, 72 mm de precipitação acumulada nas 12 horas antecedentes.

Entretanto o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou para laranja, depois de ter estado em amarelo, o aviso de “precipitação forte, podendo ser acompanhada por trovoada” até ao início da manhã de amanhã. |X|

CHUVA INTENSA A COMEÇAR O DIA

De acordo com as previsões meteorológicas o Faial está a ser fustigado desde a madrugada desta segunda-feira, 8 de novembro, por fortes chuvadas

Entre as 6 e as 7 horas o valor da pluviosidade na ilha do Faial atingiu os 12 mm. A chuva tem caído a espaços com grande intensidade. As estradas, a certa altura, ficaram cobertas de água, o que dificulta a circulação rodoviária.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) tem em vigor um aviso amarelo até às 5 horas de amanhã, prevenindo contra “precipitação por vezes forte, acompanhada de trovoada” no Grupo Central do arquipélago em resultado de “uma superfície frontal fria com ondulações”.

Previsão do estado do tempo para hoje, segunda-feira, para o Grupo Central dos Açores: céu geralmente muito nublado. períodos de chuva por vezes forte; possibilidade de trovoada; vento sul moderado (20/30 km/h), tornando-se bonançoso (10/20 km/h) e rodando para sudoeste. Para amanhã: céu geralmente muito nublado, com abertas para a tarde; possibilidade de trovoada; períodos de chuva na madrugada e manhã, passando a aguaceiros; vento do quadrante leste fraco a bonançoso (05/20 km/h). |X|

LIGAÇÕES AÉREAS AFETADAS

Condições meteorológicas estão a condicionar as operações no Aeroporto da Horta

Instabilidade atmosférica atrasou ligação aérea entre as Flores e o Faial

Às 12h10 de hoje uma aeronave Dash 400 da SATA Air Açores aterrou no Aeroporto da Horta proveniente da ilha das Flores, apesar do mau tempo que se faz sentir, com céu encoberto, nuvens baixas e vento a soprar com alguma intensidade.

Esta ligação aérea entre as Flores e o Faial merece notícia porque aconteceu depois de duas tentativas frustradas para aterrar na pista do Faial durante a manhã de hoje. O voo da Azores Airlines procedente de Lisboa ainda fez a aproximação ao destino, mas divergiu para a ilha Terceira, o mesmo acontecendo, poucos minutos depois, com um voo da SATA Air Açores, que vinha de Ponta Delgada.

Estado do tempo não permitiu aterragem no Aeroporto da Horta de voos provenientes de Lisboa e Ponta Delgada

Melhor desfecho, conforme referido, teve a ligação entre as Flores e a Horta. No entanto, antes de aterrar, o avião deu várias voltas (seguramente mais de um quarto de hora), a uma razoável distância do Faial, para depois se encaminhar para a pista. Entretanto, às 12h46 partiu para Ponta Delgada.

O Aeroporto da Horta prevê receber, ainda hoje, mais três voos da SATA Air Açores, um deles do Corvo e os outros dois da ilha Terceira. Enquanto isto, o avião da Azores Airlines que não conseguiu aterrar na Horta encontrava-se, ao princípio da tarde, no Aeroporto das Lajes a aguardar a possibilidade de completar a viagem inicialmente prevista.

“A montanha do Pico constitui um gerador de turbulência que restringe drasticamente a operacionalidade do Aeroporto da Horta quando o vento sopra muito fresco, do quadrante Leste, neste caso SE/ESE, 45 km/h e rajada máxima de 65 km/h”, escreveu, a este propósito, no Facebook, Martins Goulart, que se mantém atento às questões relacionadas com o transporte aéreo, particularmente nas ilhas do Faial e Pico.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) emitiu um aviso amarelo para o Grupo Central do arquipélago dos Açores em vigor até ao início da manhã de amanhã por causa de chuva forte e trovoada. |X|

WANDA POUPA OS AÇORES

Previsões meteorológicas internacionais continuam a manter válida a possibilidade da tempestade tropical Wanda passar ao largo do arquipélago açoriano

Imagem do National Hurricane Center sobre o posicionamento da Wanda às 12 horas de hoje

O centro da tempestade não afetará diretamente as ilhas, mas isso não significa que a Wanda não tenha influência sobre o estado do tempo na região dos Açores.

Olhando para a previsão descritiva do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) nota-se que, de hoje até sábado, o máximo de dias com informação meteorológica disponível, as condições atmosféricas serão muito equivalentes a cada 24 horas no Grupo Central: céu muito nublado, chuva acompanhada de trovoada e vento fresco, com rajadas que não ultrapassarão 65 km/h.

A Delegação dos Açores do IPMA emitiu um comunicado nesta quarta-feira em que reitera o que já havia publicado, ou seja, a elevada incerteza da trajetória da tempestade tropical, que, no entanto, indicia a “baixa” probabilidade de os Açores serem atingidos diretamente pelo grosso do mau tempo. |X|

CUMBRE VIEJA AFETA OS AÇORES

Até à próxima quinta-feira, dia 4 de novembro, o arquipélago dos Açores vai ser atingido por aerossóis sulfato resultantes da erupção vulcânica Cumbre Vieja, em curso nas ilhas Canárias

Imagem apresentada pelo IPMA sobre a deslocação dos aerossóis sulfato sobre os Açores

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) alertou na tarde de hoje que “de acordo com os resultados do modelo do Serviço de Monitorização Atmosférica do programa Copernicus, verifica-se uma intrusão de partículas de aerossol sulfato na região dos Açores”.

No Faial os ares continuam muito “fechados” e durante a tarde, após a dissipação de algumas nuvens, observava-se a sul da ilha um fenómeno com algumas semelhanças com o que ocorreu no fim de setembro, precisamente quando o nosso arquipélago foi afetado pelo fenómeno dos aerossóis sulfato oriundos do vulcão Cumbre Vieja, em erupção nas Canárias.

O que se verifica é uma espécie de neblina num tom macerado, não tão intensa como a bruma habitual das ilhas, que reduz a visibilidade à distância.

Os aerossóis sulfato resultam “da reação em fase líquida do dióxido de enxofre com a água, constituindo pequenas partículas líquidas, que servem de núcleos de condensação e podem ser transportadas pelo vento”, explica o IPMA no seu sítio da Internet. “Essas partículas – especifica – possuem também propriedades óticas que contribuem para uma maior dispersão da luz e, consequentemente, provocam uma redução da visibilidade”.

O IPMA diz que “com a região a ser afetada pela passagem de uma superfície frontal com ondulações e a previsão de ocorrência de precipitação, a atual massa de ar deverá ser substituída ao mesmo tempo que a remoção húmida do aerossol se verifica”, apontando para que a situação esteja resolvida a partir da madrugada de quinta-feira.

TEMPESTADE TROPICAL

Enquanto isto, está a evoluir no Atlântico Norte, a oeste dos Açores, a tempestade tropical Wanda, cuja possibilidade de afetar, diretamente, estas ilhas é baixa, se bem que a respetiva trajetória seja caracterizada, pelo Centro de Prevenção e Vigilância Meteorológica dos Açores do IPMA, por uma elevada incerteza.

Às 9 horas desta terça-feira a Wanda encontrava-se a uma distância de 1.285 quilómetros da região açoriana. Os ventos atingiam 110 km/h.

O IPMA avisa que, nos próximos dias, permanecerão “as condições para a ocorrência de chuva forte” nos Açores, em consequência de um sistema frontal quase estacionário instalado nas proximidades das ilhas.

Na imagem a previsão da deslocação da tempestade tropical Wanda pelo National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA)

CHUVA E TROVOADA A CAMINHO

Arquipélago dos Açores sob aviso amarelo de mau tempo. Grupo Central em alerta a partir das 18 horas deste domingo

Depois de, a meio da semana finda, o Faial ter sido fustigado por fortes chuvadas e uma trovoada intensa, ainda que breve, o mesmo quadro meteorológico poderá repetir-se, com início ao fim da tarde de hoje, de acordo com a previsão do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Um aviso do IPMA já está em vigor (desde a meia-noite) nas Flores e no Corvo (Grupo Ocidental) e amanhã à tarde abrangerá São Miguel e Santa Maria (Grupo Oriental). O mau tempo vai passar pelas ilhas do Faial, Pico, São Jorge, Graciosa e Terceira (Grupo Central) durante cerca de 24 horas (entre as 18 horas deste domingo e as 20 horas de segunda-feira), trazendo consigo “precipitação por vezes forte, podendo ser acompanhada de trovoada”, conforme anuncia o IPMA.

Na passada quarta-feira, recorde-se, choveu intensamente no Faial e uma forte trovoada abateu-se sobre esta ilha provocando cortes de energia elétrica e danificando eletrodomésticos.

PREVISÃO DO ESTADO DO TEMPO

O IPMA, para hoje, domingo, 10 de outubro de 2021, prevê períodos de céu muito nublado com abertas, tornando-se encoberto; períodos de chuva por vezes forte a partir da tarde; condições favoráveis à ocorrência de trovoada a partir da tarde e vento sueste moderado a fresco (20/40 km/h) com rajadas até 50 km/h, rodando para sul.

Para amanhã: céu geralmente muito nublado; períodos de chuva por vezes forte, passando a aguaceiros para o fim do dia; condições favoráveis à ocorrência de trovoada e vento sul bonançoso a moderado (10/30 km/h), rodando para oeste para o fim do dia. |X|

| Fotografia de arquivo, com direitos reservados